27 de ago de 2009

Aprender a aprender

Por Mariana Akamine

.

Já ouvi algumas vezes do meu professor a história de um homem que foi até um conhecido guru, afim de aprender toda a sua sabedoria, mas não podia porque não conseguia se desfazer de seus conhecimentos anteriores. Não sou muito boa para lembrar as histórias, mas a conclusão final era mais ou menos a seguinte: Se você já chega para aprender algo cheio de ideias preconcebidas, expectativas e sua experiência anterior enraizada, é como uma xícara cheia de chá até a boca. Qualquer coisa que qualquer pessoa tente te ensinar, transbordará. Para que se possa aprender algo novo, é preciso esvaziar a xícara. É preciso abrir espaço na mente e no coração para que o novo entre.

É muito comum que um aluno iniciante chegue a uma aula de yoga como uma xícara cheia. E o nosso ego tem muito medo de esvaziá-la, pois isso seria abrir mão do conhecido, onde já se permanece numa zona de conforto, para algo que ele não sabe o que é. Além disso, o mundo atual nos ensinou que devemos ser críticos. Sim, não digo que devemos aceitar tudo passivamente sem refletir sobre, mas toda crítica deve ser feita com coerencia e coração aberto, senão ela nos limita. Toda crítica é valida se for feita com a xícara vazia.

O Yoga é uma filosofia milenar que chegou faz pouco tempo no ocidente, e muita coisa é muito diferente do que aprendemos no decorrer de nossas vidas. Precisamos estar abertos para compreender uma forma de pensar tão diferente da que nos foi ensinada. A prática de yoga mexe com questões muito profundas do nosso ser, muitas vezes inconcientemente, e precisamos estar abertos para aceitar sensações novas e transformações que possam ocorrer. Dessa forma, ela só trará benefícios.

Para qualquer coisa, seja numa aula de yoga, numa pós-graduação ou numa conversa entre amigos, precisamos aprender a aprender. Precisamos aprender a esvaziar a xícara para que o novo possa entrar. Depois, se ele não nos servir, não tem problema. Mas só saberemos que ele não nos serve se permitirmos, antes, que ele entre.

Namastê!!

Nenhum comentário: