10 de set de 2009

Abaixo a reclamação!!!!!


Por Mariana Akamine


Hoje uma aluna minha finalmente conseguiu ir a aula de yoga, depois de dois dias (terça e quinta passadas) de chuva intensa que a impediu de sair de casa. Em vez de chegar feliz, por enfim poder fazer aula, chegou reclamando, brava, por ter perdido as anteriores. É uma tendência geral. Sempre estamos inclinados a ver as coisas pelo ângulo ruim. É como uma reação inconsciente que temos, sempre: reclamar virou algo normal, cotidiano e automático. É algo para se pensar, não acham? Por que reclamamos tanto? Reclamamos quando faz calor, reclamamos quando faz frio, reclamamos quando chove. Reclamamos quando temos que trabalhar, e também quando não temos trabalho. Reclamamos quando temos muito o que fazer no fim de semana, mas não fazer nada também não pode! A verdade é que já estamos programados a reclamar. E com isso estamos sempre insatisfeitos, e consequentemente, infelizes.

Outro dia ouvi de uma pessoa que ela fez o seguinte combinado com uma amiga: Elas ficariam uma semana inteira sem reclamar de absolutamente nada. O resultado? Nem meia hora elas conseguiram! Mas a experiência valeu para elas perceberem o quanto estavam rabugentas. Porque, pelo menos no primeiro dia, cada vez que elas reclamavam de algo, acendia uma luzinha vermelha na mente delas que dizia: "ops! de novo!!"

Mas bem, voltando a minha aluna de hoje, quando eu disse à ela que deveria ficar contente por ter conseguido chegar, ela me falou: "Poliana, é ?". Minha resposta foi: " Poliana, não, praticante de yoga! Isso é santosha (contentamento)." Santosha é um dos cinco nyamas do astanga yoga de Patanjali. Segundo os yoga sutras, faz parte do caminho do yoga praticar o contentamento. Ele é fundamental para que se possa manter uma mente harmônica, estável. É o início do caminho do yoga. Sem ele, não chegamos a lugar nenhum. A prática de ásanas, pranayamas e meditação nos leva a esse estado de santosha. Mas, por outro lado, de nada serve se não tomamos consciência de que devemos, durante a prática, cultivar o contentamento. Durante a permanência em um ásana, por exemplo, podemos reclamar das dores, desconfortos e do tempo que "esse louco desse professor quer que a gente fique", ou podemos usar esse tempo e esse desconforto para conhecermos melhor o nosso corpo e a nós mesmos. É tudo uma questão de ponto de vista.

Então aqui vai o meu desafio: Vamos experimentar ficar um dia inteirinho, 24 horas, sem reclamar de nada? Nada, nadinha: nem do trânsito, nem do barulho, nem de nada! Quem fizer a experiência me conta depois como foi. Eu vou começar agora.

Namaste!

2 comentários:

TEREZA FREIRE disse...

Oi Mariana:
Concordo com vc... As pessoas deveriam praticar mais santosha nesta vida...
Gostei do blog, passarei pra te visitar mais vezes.
bjs
tereza

Mari disse...

Mto bom! Um 'exercício' que se feito diariamente pode expandir nossa percepção das coisas.
Adorei Mamá! Beijocas