28 de ago de 2009

Salamba Sirshasana



Por Bia Cattoni


Salamba significa apoiado.
Sirsha significa cabeça.

Nos antigos e sagrados textos do Yoga esta postura é chamada de o “Rei” das posturas e não é difícil imaiginar o porque. Quando nascemos na maioria das vezes, nossa cabeça desce antes do restante do nosso corpo. O crânio envolve nosso cérebro que controla o
sistema nervoso e os orgãos dos sentidos. O cérebro é o alicerce da inteligência, do conhecimento, do dicernimento, dos desejos e do poder. É o alicerce de Brahman, a alma. Um país não pode prosperar sem um Rei ou um líder para guiá-lo, assim como o corpo humano não prospera sem um cérebro saudável.

Benefícios: A prática regular de Sirshasana
faz com que o sangue saudável e puro irrigue as células do cérebro. Melhora a memória, a insônia, alivia sintomas de resfriados e tosse.
A prática regular e precisa de Salamba Sirshasana desenvolve o corpo, disciplina a mente e amplia os horizontes do Espírito.

Cuidados: Não praticar durante o período menstrual. Pessoas que sofrem de problemas cardíacos, hipertenção ou pressão baixa devem praticar sob supervisão de um professor experiente.


Fonte: Light on Yoga – B.K.S. Iyengar - Editora Harper Collins

27 de ago de 2009

Aprender a aprender

Por Mariana Akamine

.

Já ouvi algumas vezes do meu professor a história de um homem que foi até um conhecido guru, afim de aprender toda a sua sabedoria, mas não podia porque não conseguia se desfazer de seus conhecimentos anteriores. Não sou muito boa para lembrar as histórias, mas a conclusão final era mais ou menos a seguinte: Se você já chega para aprender algo cheio de ideias preconcebidas, expectativas e sua experiência anterior enraizada, é como uma xícara cheia de chá até a boca. Qualquer coisa que qualquer pessoa tente te ensinar, transbordará. Para que se possa aprender algo novo, é preciso esvaziar a xícara. É preciso abrir espaço na mente e no coração para que o novo entre.

É muito comum que um aluno iniciante chegue a uma aula de yoga como uma xícara cheia. E o nosso ego tem muito medo de esvaziá-la, pois isso seria abrir mão do conhecido, onde já se permanece numa zona de conforto, para algo que ele não sabe o que é. Além disso, o mundo atual nos ensinou que devemos ser críticos. Sim, não digo que devemos aceitar tudo passivamente sem refletir sobre, mas toda crítica deve ser feita com coerencia e coração aberto, senão ela nos limita. Toda crítica é valida se for feita com a xícara vazia.

O Yoga é uma filosofia milenar que chegou faz pouco tempo no ocidente, e muita coisa é muito diferente do que aprendemos no decorrer de nossas vidas. Precisamos estar abertos para compreender uma forma de pensar tão diferente da que nos foi ensinada. A prática de yoga mexe com questões muito profundas do nosso ser, muitas vezes inconcientemente, e precisamos estar abertos para aceitar sensações novas e transformações que possam ocorrer. Dessa forma, ela só trará benefícios.

Para qualquer coisa, seja numa aula de yoga, numa pós-graduação ou numa conversa entre amigos, precisamos aprender a aprender. Precisamos aprender a esvaziar a xícara para que o novo possa entrar. Depois, se ele não nos servir, não tem problema. Mas só saberemos que ele não nos serve se permitirmos, antes, que ele entre.

Namastê!!

24 de ago de 2009

Os Chakras



Por Bia Cattoni


É fundamental que os praticantes de yoga entendam um pouco sobre os chakras. Chakra significa roda. São 7 os principais chakras e cada um corresponde à uma função específica do corpo físico e da mente. Eles são responsáveis pela circulação do prana – a energia vital do nosso corpo físico, estão interligados através dos Nadis que são os canais por onde circula o prana. Os ásanas e pranayamas ativam os nadis e os chakras. Sempre que acontecer algum desequilíbrio, mudanças em nossas vidas, em nosso ser, há uma alteração no fluxo de energia dos chakras e de nossos corpos (nosso corpo físico, nosso corpo mental e nosso corpo espiritual). Os asanas e pranayamas distribuem e regulam a nossa energia, nossa paz, nosso equilíbrio, nosso autoconheciento.


Cada um dos chakras tem um desenho, uma cor, um número de pétalas diferentes dos outros, os que os faz únicos em sua apresentação.


MULADHARA CHAKRA

"Mula" quer dizer raiz e "Adhara" apoio, está localizado na região do períneo.
Sua cor é o vermelho, possui quatro pétalas com um quadrado no centro. Está relacionado com o elemento terra, tem um elefante no centro do quadrado representando força e estabilidade.


SWADHISTHANA CHAKRA

"Sva"significa própria e "Adhisthana" significa base, está localizado na região dos órgãos genitais, seu elemento é a água, tem 6 pétalas. Sua cor é o rosa intenso e tem o um crocodilo que representa a fertilidade.


MANIPURA CHAKRA


"Mani" significa jóia e "pura" cidade. Sua localização é logo acima do umbigo, está relacionado com o elemento fogo. Tem 10 pétalas, sua cor é o amarelo intenso e tem um carneiro no centro circulo.


ANAHATHA CHAKRA

Anahatha significa intocável, é o chakra localizado no coração. Tem como elemento o ar. Possui 12 pétalas suas cores são o azul e o verde. Tem um antílope representando agilidade. É o chakra do amor.


VISUDDHI CHACRA

"Visuddhi" significa pureza, está localizado na garganta, de cor violeta; tem um elefante branco significando potencialidade pura. Tem 16 pétalas e um circulo no centro. Seu elemento é o éter.


AJÑA

"Ajña" significa comando. Esta localizado no cérebro, entre as sombrancelhas, significa a consciência. Sua cor é branco e cinza, tem 2 pétalas. É também chamado de guru-chakra.


SAHASHARA

"Sahasra" siginifica mil e "ara" pétalas. Está localizado no topo da cabeça. Tem uma lótus de mil pétalas, com o símbolo de Shiva ao centro. Representa a realização entre o homem e seu ideal divino.

23 de ago de 2009

Ganhamos um presente!!!

Minha amiga Carolina Kimie, também professora de yoga, acaba de voltar de uma viagem de 5 meses na India e nos presenteou com lindas fotos, que vou postar aqui aos poucos.

Vou começar pelo primeiro lugar que ela visitou, a cidade de Puna, onde fica o instituto do nosso mestre BKS Iyengar.

Boa viagem!!!

Namaste!

India

por Carolina Kimie





20 de ago de 2009

Utthita Trikonasana

Por Mariana Akamine




São muitos os benefícios desse ásana, muito comum na maioria das aulas de hatha yoga: alivia gastrite, indigestão, acidez e flatulência. Melhora a flexibilidade da coluna, alivia dores das costas e corrige o alinhamento dos ombros. Massageia e tonifica a pelve, alonga os tornozelos e diminui o desconforto durante a menstruação.
Como faz tempo que não coloco nenhum ásana por aqui, é sempre bom lembrar que orientação de um professor é necessária, para que você possa permanecer no asana com as ações corretas, sem se machucar.
Namastê!!


Fonte: "Yoga: the path to holistic health" - BKS Iyengar

17 de ago de 2009

Palavras de um iniciante em suas primeiras aulas

Esse texto estava no blog "hoje que tal?", do meu amigo e aluno Roberto Mellão. Gostei tanto que pedi autorização para colocá-lo aqui, pois é sempre interessante a gente compartilhar essas experiências. Acabei de reler o texto e me veio uma frase simples e importantíssima, que muita gente desconhece: Yoga é para todos!!!! Desfrutem:

Muitos que lerem esse post, principalmente homens, pelo menos eu pensava assim, pensarão: "Yoga é coisa de mulher". Mas após fazer algumas aulas, percebi o quão difícil é, e quanta persistência é preciso, para conseguir ficar em determinadas posições. E para quem pensa que é só um mero alongamento, está muito enganado; trabalha com todos os músculos do corpo, concentração, postura e equilíbrio.
Imaginem: um homem durão fazendo sua primeira aula de Yoga, ele começa a meditar no inicio da aula um mantra que a principio é engraçado, todos na aula estão muito concentrados. Logo em seguida começam as posições, a primeira mais simples de equilíbrio, ele já não consegue, a pessoa ao seu lado faz com tamanha facilidade que ele fica espantado. No meio da aula, ele percebe que está mais suado que o restante da sala, estranho, pensa. Na posição seguinte tenta olhar para o rosto dos colegas de sala e percebe que todos passam um semblante de paz, enquanto ele, de extremo esforço. A aula acaba, ele quase morto e todos leves e tranqüilos. Reflete com ele mesmo; "Isso não é possível, voltarei nas próximas aulas, essas pessoas não são normais, como elas conseguem?" E é o que acontece, passa um mês, dois meses, ele está mais tranqüilo, sua postura melhorou, percebe até que ganhou uns músculos, no meio das posturas olha para o lado e até sorri para os colegas.
Essa história foi apenas para ilustrar a experiência de alguém com essa prática milenar que rompeu suas próprias barreiras. Agora, se você anda estressado, irritado, arrume um tempinho, não precisa ser Yoga, faça um exercício, atividades de lazer, cuide do seu corpo e da sua mente, você merece.
Ps. Esse não é um blog de alto ajuda, mas vale a dica!


Roberto Mellão

14 de ago de 2009

As Glândulas e as emoções - parte 2

CHAKRA

GLÂNDULAS

LOCALIZAÇÃO

N° DE PÉTALAS

Muládhara

Gônadas (ovários ou testículos)

Base da coluna

4

Swadhistana

Gônadas (ovários ou testículos)

Raiz do pênis ou entre os ovários

6

Manipura

Supra-renais e pâncreas

Umbigo

10

Anáhata

Timo

Centro do tórax

12

Vishuddha

Tireóide e paratireóide

Centro da garganta

16

Ajiná

Pituitária

Entre as sobrancelhas

2

Sahasrára

Pineal

Topo da cabeça

1000*

*1000 pétalas referentes aos quatro chakras superiores.

.
por Luiz Turisco
.
Segundo os yoguis tântricos, essas 50 pétalas são vórtices de energia psíquica denominada vrttis (aquilo que gira).
Cada um deles foram codificados e sistematizados séculos antes de Cristo, na Índia, por um mestre chamado Ashtavakra, que nasceu deformado (ashta = oito, vakra = dobras).
Quando um vrtti é ativado, é como se fosse uma mola solta fora do lugar e o chakra se torna desequilibrado. Esse desequilíbrio estimula ou inibe a secreção da glândula endócrina, causando uma super ou uma sub-secreção de hormônios, ativando uma determinada resposta emocional e física. Essa descoberta dos mestres guarda a chave de muitos mistérios sobre a ligação entre psique e soma. “Qual é o misterioso mecanismo pelo qual a Fé cura e o ódio adoece?”. Talvez as tradições espirituais do oriente ajudem à ciência ocidental a emergir desse seu paradigma mecanicista.
Por exemplo, o vrtti da falta de autoconfiança, no segundo chakra, for super estimulado, a pessoa desenvolverá complexo de inferioridade. O vrtti do ódio, no terceiro chakra, for super estimulado, a pessoa se sentirá cheia de hostilidade.
O nosso equilíbrio emocional depende não somente de uma regulada secreção das glândulas endócrinas, mas também da harmonia vibracional dos chakras, que são a fonte de todas as expressões psíquicas. Quando o fluxo vibratório dos subvótices fica distorcido, ocorre desequilíbrio endócrino e distúrbio emocional. Quando as freqüências do chakra estão em equilíbrio, seu formato e sua cor são claros e vibrantes.
Desse modo distúrbios mentais e complexos emocionais podem ser erradicados pela raiz, e permanentemente curados. A solução está em nossas mãos.


ÁSANAS – POSTURAS DE YOGA

Essa inter-relação foi detectada há muito tempo pelos yoguis, que desenvolveram um sistema de exercícios que exercem pressão sobre as diversas glândulas endócrinas. Há milhares de anos, nas antigas florestas da Índia e da China, os yoguis dedicaram suas vidas ao estudo do domínio do corpo e da mente. Eles observaram cuidadosamente o modo de vida dos animais que viviam em seu ambiente – como eles descansavam e como se curavam instintivamente. Ao experimentarem as diferentes posturas dos animais, esses yoguis perceberam o efeito sutil de tais movimentos em seus órgãos e glândulas. Após milhares de anos de experiência, essas posturas foram aprimoradas e passaram a constituir um sistema cientifico composto por milhares de exercícios chamados ásanas. Os nomes dos ásanas são significativos e ilustram o princípio da evolução. Algumas são denominadas de acordo com a vegetação, como a árvore (vrksha) e o lótus (padma), algumas de acordo com nomes de insetos como o gafanhoto (salabha), de animais aquáticos como o peixe (matsya), aves como o pavão (mayura), quadrúpedes como o cão (svana), não esquecendo nem mesmo das criaturas rastejantes como a serpente (bhujanga).
A pressão sutil da postura de yoga, mantida estática por pouco tempo, restabelece o nível correto de secreção dos hormônios, resultando em equilíbrio emocional e, consequentemente, em saúde física e mental.
A prática dos ásanas traz estabilidade, saúde e leveza ao corpo. Uma posição estável e agradável produz o equilíbrio mental e evita a dispersão. Os ásanas não são meros exercícios de ginástica, são posturas. Desenvolveram-se ao longo dos séculos de modo a exercitar cada músculo, nervo e glândula do corpo. Garantem um físico harmonioso, forte e elástico mantendo-o livre de doenças. Reduzem a fadiga e acalmam os nervos. Mas sua real importância está na maneira pela qual treinam e disciplinam a mente.

11 de ago de 2009

As glândulas e as emoções - Parte 1

Por Luiz Turisco


Todos nós expressamos nossas emoções fazendo referência ao corpo. Quando estamos tristes, dizemos: “Estou com um nó na garganta!”, quando sentimos medo: “Sinto um frio na barriga”, com raiva: “Meu sangue está fervendo!”, desapontados: “Meu coração está partido!”.
Dr. Harold Streitfield

Essa interdependência sutil entre a mente e o corpo é intermediada pelas glândulas endócrinas, que regem a sinfonia complexa do corpo, lançando a química hormonal na corrente sanguínea. Esses hormônios têm um intenso efeito, não só nas principais funções do corpo como o crescimento, a digestão, a queima de energia, a temperatura do corpo, a sexualidade, etc. como também na mente.
A produção de hormônios tem de fato, um profundo efeito no estado de espírito, no temperamento e na eficiência mental. As situações de hiper ou hiposecreção (acima ou abaixo do normal) das glândulas podem causar distúrbios emocionais e mentais que abalam a saúde e a paz de espírito. A hipersecreção da tiroxina, pela tireóide, por exemplo, torna a pessoa nervosa e irritadiça. As mulheres demonstram acentuado otimismo e maior autoconfiança no período de ovulação, quando o estrogênio e a progesterona alcançam elevado índice de produção, mas se tornam extremamente ansiosas ou hostis quando os níveis desses hormônios caem, durante os períodos pré-menstrual e menstrual.



O ESTRESSE E AS GLÂNDULAS SUPRA-RENAIS

Os efeitos, no corpo e na mente, das sensações estressantes estão sendo agora estudados cuidadosamente pelos cientistas, tendo em conta que cada vez mais pessoas, em todo o mundo, adoecem devido ao estresse. Numa situação de estresse, as glândulas supra-renais automaticamente segregam adrenalina e a cortisona, hormônios que ativam todos os órgãos do corpo, preparando-o para situações extremas: lutar ou fugir. Essa resposta instintiva é um legado de nossos antepassados primitivos. Quando nossos ancestrais tinham que enfrentar situações de perigo, eles reagiam com intenso esforço físico até solucionar o confronto, fosse fugindo rapidamente dos predadores, fosse liquidando o inimigo. Mas atualmente os seres humanos não podem correr para longe dos inimigos nem tão pouco podem combatê-lo fisicamente, sujeitando-se a um constante e árduo estresse, ao qual não podem responder com atividade física.
O funcionário que frequentemente é cobrado por seus superiores hierárquicos, o estudante que sofre tremenda pressão de trabalhos e provas, a dona de casa atormentada com os afazeres do dia a dia, todos acumulam intensa pressão interna. Certas emoções, como a raiva, emitem ondas conflitantes para o sistema nervoso, tornando os músculos tensos, a respiração irregular e os punhos cerrados. A pressão sanguínea aumenta, o coração fica acelerado e a digestão se torna mais difícil. E mesmo que a pessoa esteja preparada para reagir com força e vigor, ela não poderá dissipar essa tensão fazendo esforço físico dando pancadas na cabeça do agressor ou fugir, então, essa tensão é normalmente acumulada internamente. As glândulas supra-renais super estimuladas mantêm o corpo e a mente num contínuo estado de alerta e tensão interna e, como resultado, ocorrem estados de melancolia, depressão, neurose e ansiedade, atingindo inclusive os estudantes. Esse estresse prolongado enfraquece o sistema imunológico, diminuindo a resistência às infecções, e frequentemente acarreta vários distúrbios, como a hipertensão, as doenças cardíacas, os problemas intestinais, a úlcera estomacal, a asma, a enxaqueca, a artrite e até mesmo o câncer. Foi constatado que os remédios controladores da tensão têm efeitos colaterais perigosos. Para aliviar o desgaste da tensão interna, precisamos aprender a relaxar.

10 de ago de 2009

Conhecer o desconhecido

Por Mariana Akamine


"Abandone seu apego ao conhecido, penetre no desconhecido e vivencie toda a alegria, mistério e magia do que pode acontecer no campo de todas as possibilidades."


Deepak Chopra - " As sete leis espirituais do sucesso"


A prática de ásanas é um bom caminho para penetrar no desconhecido. Os ásanas fazem com que nossa atenção fique no presente, e torna possivel a observação de sensações até então desconhecidas. Desde uma postura mais simples até em algo mais complexo isso é possivel. E quando não fugimos dessas sensação, mas sim reconhecemos, observamos e aceitamos, muitas possibilidades se abrem. Durante a prática de ásanas não só o corpo fisico é trabalhado, mas também camadas energéticas muito profundas, que trazem à tona sensações muitas vezes boas, outras nem tanto, geradas através das marcas e impressões inconscientes, fixadas em nosso corpo há muito tempo. Essas impressões são chamadas samskaras. Por isso muitas vezes um asana que é simples para alguns pode ser bem complexo para outros, independente de força ou flexibilidade. A sugestão é: sempre respeitando (mas evoluindo com) os limites do seu corpo, esteja aberto ao desconhecido. Experimente, arrisque-se! É disso que se trata o yoga: ultrapassar os bloqueios da mente, nesse caso, através do seu corpo.


Namaste!

7 de ago de 2009

Os curiosos efeitos do yoga

Por Fabiana Acosta Antunes


Virabhadrasana II ou Postura do Guerreiro II

Esta postura nunca foi das minhas "mais queridas" e sempre que praticava permanecia nela durante dez respirações torcendo pra acabar logo e quando acabava (ufa!) dava graças a deus e me sentia cumprindo uma obrigação. A prática regular mudou alguma coisa além do natural fortalecimento das pernas: não sei o que houve, agora sinto necessidade de ficar e ficar e ficar nesta postura... Não se trata de "condicionamento físico", em que naturalmente o corpo responde de outro jeito e aquilo se torna menos difícil para ele... Tampouco posso dizer que o desconforto se transformou em conforto... É algo mais parecido com necessidade. O corpo precisa ficar ali, naquela postura, então ele simplesmente fica, sem lamentações...

Pois é, o Algo sobre yoga está de volta!! Novo visual, e novas ideias.


A novidade principal é que de agora em diante, eu não serei a única a escrever para esse blog. Ele continua sendo meu, mas convidei alguns amigos, professores e praticantes de yoga, para participarem. A ideia é criar uma dinâmica maior, e fazer com que o blog deixe de ser " da Mariana" para ser "de yoga". Acho praticamente impossível não escrever sobre as minhas experiências quando me vem um tema à cabeça. Afinal, toda teoria é valida, mas yoga é prática. Sem a prática contínua e determinada, não só de asanas, mas de todo esse universo gigante que engloba essa filosofia (yamas, nyamas,asanas, pranayamas...), não serve de nada conhecer toda a teoria. Por isso sempre gostei de falar de mim, do que eu vejo e sinto, do que eu pratico. Porém, comecei a perceber que com o tempo o blog estava ficando pessoal demais. E resolvi então chamar essas pessoas para dividirem com a gente suas experiências e seus conhecimentos. Já tenho dois textos para colocar aqui para vcs, fora as muitas idéias que já estão saltitando pela minha mente!Espero que vcs gostem!!


Namaste!

5 de ago de 2009

De volta!!

.

Como nós mulheres, sempre que passamos por um momento de transformação, gostamos de transformar também o visual, o blog está voltando de cara nova!! Ainda estão faltando algumas coisinhas, e logo mais eu volta a escrever, com algumas novidades...

Namaste!